Brasil reduz em 38% casos de malária em relação a 2018

Nesta quinta-feira (25), Dia Mundial da Malária, o Ministério da Saúde anuncia redução do número de casos da doença em comparação ao ano passado, e lança a campanha “Brasil Sem Malária”

O Ministério da Saúde publicou nesta quinta-feira (25) estudos que apontam uma redução de 38% dos casos de malária no Brasil em relação ao mesmo período do ano passado. O avanço marca o Dia Mundial da Malária, celebrado todo dia 25 de abril.

De acordo com informações publicadas pela pasta, de janeiro a março deste ano foram notificados 31.872 casos novos da doença. No mesmo período de 2018, foram registrados 51.076 casos de malária no país. Os dados foram apresentados pelo coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária do Ministério da Saúde, Cassio Peterka, durante o IV Seminário Estadual Alusivo ao Dia Mundial de Luta Contra a Malária, que acontece hoje, em Manaus (AM). O Ministério da Saúde aproveitou a ocasião para lançar a campanha “Brasil Sem Malária”, com foco na região Amazônica, que concentra mais de 99% dos casos da doença.

A redução dos casos de malária no país se deve, principalmente, à integração das ações de saúde realizadas pelo Governo Federal em parceria com os Estados, Municípios e a população contra a malária. Para 2019, os principais desafios são manter a continuidade das ações de vigilância da malária, melhorando a oportunidade no diagnóstico e tratamento, resposta rápida a surtos, mobilização social e orientação de prevenção da doença para a população, fortalecimento dos níveis locais, além de comprometimento de todos os envolvidos nas ações de prevenção da doença.

Para reduzir a possibilidade da picada do mosquito transmissor de malária no doente, a população precisa ficar atenta a algumas recomendações e cuidados, que serão informados por meio de divulgação em TV, rádio, carro som, barco som, aeroportos, rodoviárias, internet e redes sociais. O público-alvo da campanha são as populações que vivem nas capitais dos nove estados que compõem a região Amazônica (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Roraima, Rondônia, Tocantins e Maranhão), além de regiões de mata, assentamentos rurais, garimpos, periferias e áreas indígenas.

“O objetivo do Ministério da Saúde é alertar a população da região sobre a responsabilidade do cidadão na redução da transmissão da doença, da importância do diagnóstico em tempo oportuno e da importância do tratamento completo”, afirmou o coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária do Ministério da Saúde, Cassio Peterka.

MALÁRIA

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por parasitos do gênero Plasmodium, transmitidos pela picada da fêmea infectada do mosquito gênero Anopheles. O paciente com malária não é capaz de transmitir a doença diretamente a outra pessoa, é necessária a participação de um vetor. Entre os principais sintomas da malária estão, febre alta, calafrios, tremores, sudorese ou dor de cabeça. Algumas pessoas antes de apresentarem esses sintomas, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

A malária tem cura, mas se não for diagnosticada e tratada em tempo oportuno, pode evoluir para formas grave da doença.



Gustavo Frasão

Gustavo Frasão é jornalista formado há dez anos, mas atua na área desde 2004, quando iniciou o curso. Possui especialização em Edição/Revisão de Textos, Jornalismo Digital e Marketing Digital. Passou por veículos como Rede Record, Correio Braziliense, Globo e Portal R7. Especialista nas editorias de Saúde, Meio Ambiente, Política e Cidades.