Cresce o mercado de serviços e proteções para bicicletas

Dados divulgados recentemente pela Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) apontam que a produção de bicicletas cresceu cerca de 16% no ano passado, se comparado a 2017. Para 2019, a projeção da entidade é que o incremento fica em 10%.

Com o crescimento do segmento, ampliaram também os serviços ofertados pelas empresas para este tipo de veículo. A seguradora SulAmérica anunciou que passará a comercializar neste mês uma cobertura para roubo e furto de bicicletas em São Paulo. Denominada “Proteção para Bikes”, a novidade integra as proteções adicionais do seguro Residencial ofertado pela empresa e oferece indenização em caso de ocorrências dentro e fora da casa do cliente que envolvam bicicletas, inclusive elétricas, avaliadas entre R$ 2,5 mil e R$ 50 mil.

O vice-presidente de Auto e Massificados da companhia, Eduardo Dal Ri, comenta que “considerando o surgimento de novos hábitos de vida e de locomoção, trabalhamos em um produto que atende ao público que vê sua bicicleta como um bem valioso”.

Diante da mudança de hábitos verificada grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, onde os transportes alternativos caíram no gosto da população, empresas vêm enxergando uma oportunidade de negócio e têm criado produtos diferenciados para este público.

A Mapfre Assistência, por exemplo, lançou recentemente o Assistência Bike, que oferece serviços como instalação de peças, acessórios, revisão mecânica, troca de pneu e até montagem. “Essa nova assistência foi desenvolvida para companhias como seguradoras, bancos e operadoras de cartão, por exemplo, que pretendem oferecer ainda mais benefícios aos seus clientes e apostam na sua fidelização”, pontua Eduardo Sena, diretor geral da companhia.

Outras empresas como a Argo e Berkley também já oferecem proteções para bicicletas, mas o grande empecilho, no caso do seguro, está no valor mínimo das bicicletas que as seguradas aceitam segurar, isso porque a maioria das apólices está disponível apenas para bikes com valor acima de R$ 7 mil.


Moreira

Sugestões de pauta: pauta.economia.rede4news@gmail.com