Desejos, medos e preconceitos

O tema preconceito nos cerca de todos os lados; seja nas rodas de conversa em família, nas reuniões de trabalho e até mesmo nas horas de lazer quando os amigos são a presença mais importante. Cruzes! Parece, que dentro da nossa sã consciência ronda um bichano tirano pronto a causar distanciamento com todos ao redor. Por que será ?!

Há muito tempo a filosofia de Platão já apontava para um lado sombra residindo nossa mente, que poderia nos causar grandes danos e que para entende-la seria preciso sair da caverna (nossos hábitos rotineiros). Séculos se passaram e a maioria de nós continua adormecida diante dos quesitos: Quem sou eu ?! Do que gosto ?! O que quero da vida ?! O que aprecio?! Quais meus desejos ?! O que me assusta ?!. Não se assuste, você não é o único a ter estas dúvidas. Contudo, quanto menos conhece sobre você maiores serão as chances de se chocar com um outro ser humano nas mesmas dúvidas – um prato cheio para dar de cara com os preconceitos e haver bagunça nas relações sociais!

Pulemos o tempo em direção ao século dezenove onde um médico neurologista chamado Freud resolveu deixar bem claro que o inconsciente é o responsável por guardar nossos segredinhos a sete chaves. Isso mesmo! O inconsciente cuida de quase tudo que você e eu fazemos indo da respiração aos pensamentos, passando por tudo que amamos até o que detestamos. Se você se admira de um robô japonês fazendo uma cirurgia com precisão biônica multiplique isso por um quaquilhão de vezes aprimorado e poderá ter à frente uma idéia do seu inconsciente. É ele que lhe permitiu guardar todas as informações desde o seu primeiro momento na barriga de sua mãe até o atual momento, registrando tudo para sua vida ficar mais interessante. Mas pasme, não separando o que é positivo do que é negativo. Não, tudo isso fica para o lado consciente, que sai julgando. O inconsciente trabalha o lado central aprimorando seus gostos e seus medos há milhões de anos, claro, você não é o primeiro de sua espécie. Daí você não entender o motivo porque não aprecia algumas coisas, claro, não começou por você. O que quero dizer é que não basta se conhecer, é preciso também conhecer a espécie a qual você faz parte. Algumas coisas vão além de nossa única mente, pois faz parte do inconsciente coletivo.

Mas voltemos aos preconceitos, de onde ele vem? Diretamente falando: de tudo que você deixa de lado, põe debaixo do tapete, esconde e não vai procurar entender o motivo que lhe levou a evitar aquele assunto. Quer saber o que é mais duro? Ou você ama muito ou então não ama porque tem medo. E esse medo vem do que foi passado para você por alguém de sua convivência… pai, mãe, irmãos, professores, etc. Alguém que você muito confiava. É um ciclo muito amplo, mas resultado de um universo inteiro que mora dentro de você.

Preconceito tem muito a ver com o desconhecimento que você tem sobre você mesmo. E sabe qual o barato maior? Se você não tem nada pendente com as questões que permeiam um ser humano então você é uma jóia rara, dessas que vale a pena levar para casa. Sabe por quê? Porque você é de “boas “, capaz de entrar em qualquer ambiente, comer qualquer comida, aceitar toda e qualquer pessoa e por aí vai. Você é um pedacinho do paraíso bem aqui.
Tem mais sobre pré-conceito no vídeo abaixo, se você deseja saber, assista.

Mas antes de findar deixar eu dar minha última palavra: A vida é curta demais para viver momentos de angústia. Não vale a pena! Caso sua vida esteja mais dando trabalho que lhe permitindo sorrir busque ajuda profissional (terapeuta) o mais rápido possível e vá viver feliz.


Denilza Munhoz

Graduada em letras com inglês, poliglota, especialista em Metodologia do Ensino Superior, Psicanalista, hipnoterapeuta, Coach, Conferencista par grandes empresas internacionais. Viajante constante e presente em mais de 22 países onde esteve para aprender sobre o ser humano.