O Príncipe dos Poetas

Antônio Francisco Da Costa e Silva , o Da Costa e Silva,é considerado o maior poeta da história do Piauí e entre os 100 do Brasil.

Nasceu em Amarante(160 km de Teresina) em 23 novembro de 1885 e morreu no Rio de Janeiro RJ 1950), fez o ensino fundamental em sua terra natal, onde começou a traçar as primeiras linhas de seus poemas, posteriormente seguiu pra Recife(PE) onde foi cursar Direito e onde efetivamente se transformou num grande poeta, seguindo o tripé Simbolista, Parnasianista, Modernista e ainda entrou, embora timidamente, na escola do Romantismo , embora superada , mas o amor por sua terra e o Lirismo crônico que o acompanhava tem traços da Escola Literária iniciada em primeira geração por Gonçalves de Magalhães.

Em 1909 lançou seu primeiro livro “Sangue” em que predominou a escola Simbolista e o amor por sua terra natal, como podemos conferir no poema SAUDADE:

Saudade! Olhar de minha mãe rezando,
E o pranto lento deslizando em fio…
Saudade! Amor da minha terra… O rio
Cantigas de águas claras soluçando.
Noites de junho… O caburé com frio,
Ao luar, sobre o arvoredo, piando, piando…
E, ao vento, as folhas lívidas cantando
A saudade imortal de um sol de estio.
Saudade! Asa de dor do Pensamento!
Gemidos vãos de canaviais ao vento…
As mortalhas de névoa sobre a serra…
Saudade! O Parnaíba - velho monge
As barbas brancas alongando… E, ao longe,
O mugido dos bois da minha terra…

Depois veio Zodíaco, considerado pela critica como sua maior obra que trata da natureza e Pandora (1919), Antologia (1934) e os póstumos Poesias Completas (1950) e Saudades (1956).

O poeta trabalhou como funcionário do Tesouro Nacional, passando por várias capitais do Brasil e em vida oscilava entre o real e irreal e ao se estabelecer no Rio de Janeiro, 10 anos antes de sua morte, já afirmava está num autoexílio e pouco mais se interessou em voltar a sua Terra Natal , Amarante, cidade que inspirou ao poeta em suas melhores poesias.

Da, como foi apelidado em Recife sofreu muito com a morte de sua esposa Alice e colocou o nome de uma filha com esse nome em segundas nupcias , numa declaração de amor inconteste, chegou a ser indicado para ser embaixador do Brasil e, foi vetado pelo Barão de Rio Branco por questões estéticas, foi autor do hino do Piauí e membro da Academia Piauiense de Letras e foi escolhido pela Tv Cidade Verde (afiliada do SBT no Piauí) como o literato do século XX.