Com política que vai além da proibição, Brasil registra queda de 40% no número de fumantes

Na mesma semana da marcha que pediu a descriminalização da maconha, parceria entre governo e Ministério da Saúde mostra resultados positivos no combate a tabagismo

Foto: Prakash Singh/AFP/AFP)

O Ministério da Saúde divulgou alguns dados no último dia 31 de maio sobre o número de fumantes no Brasil. A pesquisa feita pela Vigitel que é o sistema de Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) do governo federal, mostrou que o país tem se saído muito bem no combate ao tabagismo.

Nos últimos 12 anos o brasileiro tem fumado menos, em 2006 quando a pesquisa começou a ser feita, 15,6% dos brasileiros entrevistados tinham o hábito de fumar regularmente. Em 2018 o número caiu para 9,3%, entre os mais jovens, na faixa etária de 18 a 24 anos de idade, apenas 6,7% mantém este hábito.

Esse número positivo, segundo o governo, está ligado a algumas políticas adotadas, como o combate ao comércio ilegal de cigarros nas fronteiras brasileiras, uma política de preço, além da lei Antifumo de 2011 que proíbe fumar em lugares fechados ou parcialmente fechados em todo o país. A lei limita ou quase proíbe de vez a a veiculação de propaganda publicitária de cigarro até mesmo nos locais de vendas.

Os dados apontam para um caminho de sucesso no combate ao tabagismo através de ações que tem surtido efeitos. A parceria entre Governo Federal e Ministério da Saúde colocou o Brasil como referencia internacional, mas esse tipo de ação não é aplicada quando se trata da maconha.

Na mesma semana em que os dados contra o tabagismo foram divulgados, a marcha da maconha 2019 levou milhares de pessoas as ruas de São Paulo em favor da descriminalização e da legalização da planta.

Manifestantes na MASP em São Paulo (Foto: Dario Oliveira/Folhapress)

Para o coletivo Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Dragas (INNPD) grupo de estuda algumas alternativas para este tema, somente legalizar não resolveria o problemas, é preciso que exista uma política de combate ao racismo institucional no país já que os jovens negros são os principais alvos nesta guerra contra as drogas. Políticas essas, que estão sendo feitas pelo governo e com resultados muitos positivos, mas apenas no combate ao tabagismo como mostrou os dados do Ministério da Saúde.


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.