Ministro da Educação israelense defende “terapia de reversão sexual”

O Ministro da Educação de Israel, Rafi Peretz, disse acreditar que a “terapia de reversão sexual” pode funcionar.

“Acho que é possível, e tenho um certo conhecimento sobre o assunto”, disse Peretz, a um canal de TV local.

Ele descreveu como agiu quando uma pessoa lhe contou sobre suas inclinações sexuais.

“Primeiro de tudo, eu o abracei. Eu disse coisas muito reconfortantes para ele mas o convidei a pensar e refletir comigo.”

“ O objetivo é que ele se conheça bem, e então decidirá”, acrescentou.

No entanto o público LGBT, se revoltou e pediu a renúncia de Peretz.

O PM Benjamin Netanyahu disse que tais observações eram “inaceitáveis”. Outros políticos e grupos gays também expressaram críticas.

A terapia para reversão sexual é uma prática que tenta mudar a orientação sexual de um indivíduo através de meios psicológicos, espirituais e até físicos.

No Brasil, a ministra do STF Cármen Lúcia concedeu uma liminar proibindo a terapia de reversão sexual, popularmente conhecida como “cura gay”. A decisão aconteceu no dia 9 de abril.

No entanto há profissionais que discordam dessa proibição. E afirmam que pode ser um problema quando o corpo e a mente estão em conflitos.

Defensoras da prática, dizem que é o indivíduo que decide se tem uma questão para ser resolvida ou não, e se ele quiser fazer a terapia, é um direito e preservação de sua liberdade e escolha.


Chadia Kobeissi

Jornalista formada no Líbano, em Beirute, com diploma revalidado pela USP e especialização em Civilização Árabe-Islâmica. Trabalhou como Correspondente Internacional para a Rfi, "Rádio França Internacional", que transmite também para a CBN do Brasil. Fundadora da Gazeta de Beirute, e autora do livro Estado Anti-Islâmico. Teve experiências incríveis em seus 8 anos de Oriente Médio, entendendo e desmistificando para o Ocidente, este outro lado do mundo.