Presente de Aniversário: deixar as ruas e voltar pra casa

Era o início de mais uma noite fria em Feira de Santana. A segunda maior cidade da Bahia, assim como todo o estado, tem experimentado um inverno mais rigoroso que o usual. As baixas temperaturas atingem a todos, mas principalmente a quem vive desabrigado. Aqueles desprovidos de sorte e teto enfrentam as baixas temperaturas como podem. Ou melhor, com o pouco que podem.

Assim é com Álvaro Leôncio de Freitas Reis. O mineiro deixou Belo Horizonte há tanto tempo que nem lembra mais quando foi. De cidade em cidade, parou em Feira de Santana, esperando que a sorte o aguardasse por aqui. Mas a espera foi grande.

Ele pegou alguns trapos, cobriu-se como pode, tomou um gole de pinga de uma garrafa, e deitou-se. Acima de si, ele via a imagem de Padre Ovídio, na praça que leva o mesmo nome do religioso. Virou um pouco a cabeça e vislumbrou a silhueta imponente da Igreja de Senhora Santana. Murmurou algumas orações que a memória ainda lhe reservava e preparou-se para dormir. Mas naquela noite a sorte viria lhe despertar.

Uma equipe da Assistência Social da Prefeitura o acordou, com um convite: que tal passar a noite num local quente, com banho tomado e roupas limpas? Álvaro não hesitou na resposta. Livrou-se rapidamente dos trapos e da cachaça e preparou-se para embarcar no veículo oficial que o levaria ao abrigo. Mas havia outro convite, ou melhor, um presente: o secretário de Ação Social, Pablo Roberto, que acompanhava pessoalmente os trabalhos, lhe propôs retornar para a capital mineira, de onde havia saído há tanto tempo. Álvaro não resistiu.
“Hoje vou tomar banho, dormir e me arrumar no abrigo, como há muito não faço. Voltar para casa sempre foi meu desejo, mas não tinha dinheiro para a viagem”, afirmou, aliviado. Em desabafo de alegria, considerou o convite a realização de um sonho. “Hoje é meu aniversário e é o melhor presente de minha vida”, exultou, comemorando os 49 anos de vida.

Pouca adesão

O trabalho da equipe técnica especializada da Proteção Social Básica do Município consiste em ir às ruas para abordar cidadãos em situação de extrema vulnerabilidade, levando solidariedade e oferecendo abrigo do frio e da chuva.  O grupo percorre diversos pontos da cidade onde essas pessoas costumam se reunir para passar a noite.

O trabalho é feito nas praças Monsenhor Renato Galvão, Padre Ovídio e da Bandeira, Praça de Alimentação Gilson Macedo e ao longo da avenida Presidente Dutra. Nesta última localidade onde se concentra o maior número de pessoas dormindo nas calçadas.

Como é uma oferta e não imposição – o abrigo e acolhimento de cidadãos que vivem nas ruas na fria noite feirense – surpreendeu a decisão da maioria, na última quinta-feira, dia 11 de julho, de não atender ao convite para sair do relento e ir dormir agasalhado em um abrigo. Entre dezenas de pessoas abordadas, apenas duas pessoas aceitaram o convite dos técnicos especializados da Proteção Social Básica.

Outro retorno

Além do aniversariante da noite, Álvaro Leôncio, quem também aceitou a proposta de passar a noite em um abrigo municipal foi o carioca Washington de Moraes Vieira, 57 anos, dos quais dois vivendo em situação de rua em Feira de Santana. Distante de filhos e familiares no Rio de Janeiro, ele embarca nos próximos dias para aquela cidade, inserido no Programa Social de Fortalecimento de Vínculos Familiares promovido pelo Governo Municipal de Feira de Santana.

(Com informações da Prefeitura Municipal de Feira de Santana – Foto: Secom)


JB Cardoso

Jornalista e escritor, nascido no Rio Grande do Sul e radicado na Bahia, escreve sobre quase todas as editorias, preferindo sempre contar histórias. Viciado em informação, faz dela um meio de vida. Casado com Thábatta Lorena e pai de Pilar e Cléo.