Uma carta para romantizar o racismo no futebol

Atacante belga foi alvo de ofensas racista durante partida na Itália

A notícia parece repetida, juiz tem que parar o jogo por atos racistas de torcida contra jogador, mas é mais um caso de descriminação nos campos pelo mundo. A novidade desta vez foi que a própria torcida do jogador que sofreu com racismo escreveu uma carta para pedir que o atleta entenda que “a torcida adversária não é racista”.

O caso aconteceu na segunda rodada do campeonato italiano, fora de casa a Internazionale de Milão venceu o Cagliari por 2×1 com gols do argentino Lautaro Martínez e do belga Romelu Lukaku, mas o resultado do jogo é o que menos importa neste momento.

O atacante Lukaku que tem ascendência congolesa marcou de pênalti o gol da vitória do time de Milão, mas não sem ouvir gritos da torcida da casa imitando o som de macaco. No fim da temporada passada no mesmo estádio novamente a torcida do Cagliari usou do racismo para ofender jogadores, na ocasião o atacante Moses Kean, italiano filho de marfinenses foi o alvo.

Que a torcida rival xingue o adversário, apesar de condenável, já estamos acostumados, agora a novidade foi a carta aberta que uma das principais torcidas organizadas da Inter enviou para o belga pedindo compreensão ao atacante “Na Itália, nós fazemos algumas coisas só para ajudar os nossos times e fazer com que o adversário fique nervoso. Não por racismo, mas para desestabilizá-los. Afirma os ultras da torcida Curva Nord.

A diretoria do Cagliari emitiu uma nota condenando a atitude de seus torcedores, e disse que o caso será investigado. No início do ano a Federação Italiana de Futebol já havia tomado algumas atitudes contra o racismo na liga, diminuindo o número de três para duas as chamadas necessárias para uma partida ser interrompida.

Caso aconteçam cantos racistas por parte da torcida, na primeira vez os jogadores serão reunidos no centro do campo, se o caso continuar já na segunda parada o jogo será interrompido e os atletas vão para o vestiário de forma temporária.

Lukaku durante o jogo contra o Cagliari pelo campeonato italiano

Leia a carta da torcida organizada da inter de Milão na integra:

“Oi, Romelu. Nós estamos escrevendo em nome da Curva Nord. Sim, os caras que te desejaram boas-vindas na sua chegada a Milão. Nós sentimos muito que você tenha considerado racismo o que aconteceu em Cagliari.

Você precisa entender que a Itália não é como diversos outros países europeus onde o racismo é um PROBLEMA REAL.

Nós entendemos que posso ter parecido racismo para você, mas não é isso.

Na Itália, nós fazemos algumas coisas só para ajudar os nossos times e fazer com que o adversário fique nervoso. Não por racismo, mas para desestabilizá-los.

Nós somos uma torcida organizada multiétnica e nós sempre recebemos muito bem jogadores de qualquer lugar. No entanto, nós sempre utilizamos esse artifício contra jogadores de outros times no passado e provavelmente vamos continuar utilizando no futuro.

Nós não somos racistas. Assim como os torcedores do Cagliari não são.

Você precisa entender que, nos estádios italianos, as pessoas torcem por seus times. Mas, ao mesmo tempo, se empenham para torcer contra os oponentes. Não por racismo, mas para ajudar o próprio time.

Por favor, considere essa atitude dos torcedores italianos como uma forma de respeito ao fato de que eles têm medo de que você faça gols contra eles e não porque te odeiam ou são racistas.

O verdadeiro racismo é uma história completamente diferente, e todos os torcedores italianos sabem disso muito bem.

Quando você declara que o racismo é um problema que precisa ser combatido na Itália, você só contribui para a repressão contra os torcedores de futebol, incluindo a nós. E contribui, também, para a criação de um problema que não existe, não da maneira como é percebido em outros países.

Nós somos muito compreensíveis e abertos a todos. Garantimos a você que na nossa organização há torcedores de diferentes raças, que vêm de outras partes da Itália, que usam esse mesmo artifício para provocar oponentes, até quando esses são da mesma raça e vêm do mesmo lugar.

Por favor, nos ajude a esclarecer o que realmente é o racismo e que os torcedores italianos não são racistas.

A luta contra o REAL racismo precisa começar nas escolas e não nos estádios. Torcedores são apenas torcedores, que se comportam dentro do estádio de maneira diferente do que quando estão na vida real.

A torcida italiana pode não ser perfeita, e nós entendemos sua frustração com essas expressões. Mas nós definitivamente não somos racistas.

Mais uma vez, seja bem-vindo, Romelu!”


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.