Salvador: Feira Agroecológica comemora Dia Mundial da Alimentação

Frutas, verduras, legumes e hortaliças fresquinhos, de alta qualidade, produzidos de forma agroecológica, sem utilização de agrotóxicos, disponíveis na Feira Agroecológica da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), marcaram, nesta quarta-feira (16), o Dia Mundial da Alimentação. A ação, realizada pelo Fórum Baiano da Agricultura Familiar (FBAF), aconteceu durante a Jornada de Luta por Soberania Alimentar e Poder Popular.

A iniciativa, que tem o objetivo de incentivar o consumo de alimentos saudáveis, produzidos por agricultores e agricultoras familiares de diversas partes da Bahia, constitui-se ainda como um importante espaço de divulgação e comercialização de produtos processados, a exemplo do cacau em pó, mel, flocão de milho não transgênico, goma para beiju e farinha de mandioca, entre outros produtos da economia solidária como artesanatos diversos.

De acordo com o superintendente da Agricultura Familiar (Suaf), Ademilson da Rocha (Tiziu), as feiras agroecológicas são de fundamental importância para o fortalecimento da agricultura familiar, dos empreendimentos, das associações, das cooperativas e dos grupos que estão produzindo.

“Para os grupos chegarem a participar dessas feiras, passam por um processo de organização e mobilização para estarem apresentando e dando visibilidade a seus produtos. A feira também é um espaço para se relacionarem diretamente com seus consumidores, como também para a as vendas para as redes de supermercados e compras institucionais. Essa feira vem para valorizar os produtos dos agricultores e agricultoras familiares que vêm fortalecendo todo o processo da economia nos municípios, a partir da comercialização, melhorando a renda das famílias”, destacou o superintendente da Suaf.

Sonia Castro, da Associação Comunitária do Brinco (Abrinco), localizada no município de Maragogipe, Território de Identidade Recôncavo Baiano, conta que a associação conta com o apoio do Governo do Estado, por meio de órgãos como a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf), vinculadas à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e dos Centros Públicos de Economia Solidária (Cesol), com a construção da agroindústria, equipamentos e apoio à gestão, além da participação em feiras agroecológicas.

“As feiras são importantes para escoar parte dos nossos produtos, e negociar para comercializar a produção nas grandes redes. Hoje nossos produtos já estão em grandes redes como a Mix Bahia, Rede Mix, Novo Mix e Hiper Ideal. Graças a Deus estamos batalhando muito, prosperando a cada dia. Apesar de estarmos ainda caminhando, já estamos modificando o jeito de viver das famílias e de acreditar que realmente dá certo”.

Para Marta Suzin, enfermeira, é importante a realização desse evento na Assembleia Legislativa: “Essa é a oportunidade que nós temos de ter contato diretamente com o produtor e conseguimos utilizar produtos sem agrotóxicos. Os produtos que a gente consome são de excelente qualidade”.

Atualmente, a produção da associação, que é de cerca de 10 toneladas ao mês, é comercializada em diversas feiras agroecológicas e para redes de supermercados como a Mix Bahia, que possui 32 lojas; Hiper Ideal, com 15 lojas; Rede Mix, 10 lojas; e Novo Mix, 15 lojas.

A Abrinco conta com 72 associados, com maioria jovem e idade abaixo de 30 anos, que atuam no cultivo da mandioca, inhame e batata doce e de outros produtos ou na fábrica. A Associação produz e comercializa farinha de mandioca, goma para beiju, massa de aipim para bolo, aipim e inhame embalados a vácuo e resfriados, e aipim, inhame e batata doce in natura. Nas feiras são comercializados ainda outros produtos como hortaliças, legumes, frutas, verduras e mel, produzidos pelos associados.
 

A Feira Agroecológica da Alba acontece sempre na primeira semana de cada mês, às terças, quartas e quintas-feiras, consecutivamente.

Fonte: Ascom/ Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) – Foto: Divulgação


JB Cardoso

Jornalista e escritor, nascido no Rio Grande do Sul e radicado na Bahia, escreve sobre quase todas as editorias, preferindo sempre contar histórias. Viciado em informação, faz dela um meio de vida. Casado com Thábatta Lorena e pai de Pilar e Cléo.