Cristãos de Gaza, proibidos por Israel de irem para Belém, comemoram Natal com muçulmanos

Foto/Al Jazeera

Mesmo com os conflitos entre os soldados israelenses e os palestinos, entre cristãos e muçulmanos o clima é de união. Na região mais tensa e controlada, a faixa de Gaza, cristãos foram proibidos pelo governo israelense de viajar para a sagrada Belém.

Dos quase mil cristãos que residem em Gaza, apenas 55 obtiveram permissão para ir passar o Natal em Belém, entre eles uma criança de 3 anos, que obviamente não irá, pois seus pais não conseguiram a licença.

Muitos cristãos se mostraram tristes e insatisfeitos, pois além do significado religioso da cidade de Belém, eles tem parentes que lá residem, e seria uma chance de visitá-los. No entanto, com esse bloqueio, a nova tentativa é apenas no ano que vem.

Muitos cristãos que ficaram em Gaza, comemoraram com os muçulmanos o Natal. Mulheres islâmicas confeccionaram artigos, e enfeites.

“Fazemos presentes de Natal com amor e precisão”, disse Abu Qaida, uma das artesãs.

Vizinhas há muitos anos, Amal e Nour, cristã e muçulmana, celebraram juntas na casa de Amal o Natal, mas para ambas o significado é diferente.

Nour explica que “para os muçulmanos, Jesus é um Mensageiro, e Profeta de Deus, diferente do significado que tem para os cristãos”.

“No entanto, lembrar de seu nascimento e suas lições é um dever para todos”, acrescentou.

Além de comemorarem em suas casas, muitas pessoas, muçulmanas e cristãs, se reuniram no YMCA Gaza, um local estabelecido em 1952, onde realizam atividades sociais, culturais e esportes, voltado para todos os cidadãos, independente do seu credo, sexo, ou nacionalidade.

Mais um Natal que passou, e para os cristãos de Gaza, a saudade de Belém permanece.


Chadia Kobeissi

Jornalista formada no Líbano, em Beirute, com diploma revalidado pela USP e especialização em Civilização Árabe-Islâmica. Trabalhou como Correspondente Internacional para a Rfi, "Rádio França Internacional", que transmite também para a CBN do Brasil. Fundadora da Gazeta de Beirute, e autora do livro Estado Anti-Islâmico. Teve experiências incríveis em seus 8 anos de Oriente Médio, entendendo e desmistificando para o Ocidente, este outro lado do mundo.