Chuvas e ventania causaram estragos em Salvador nesta quarta-feira

As fortes chuvas que caíram sobre Salvador, capital da Bahia, nesta quarta-feira, dia 22, surgiram de um sistema de baixa pressão que atingiu também os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, ocasionando chuvas intensas, alagamentos e vários deslizamentos de terra. Na capital baiana o fenômeno provocou chuvas fracas a moderadas, por vezes fortes, acompanhada por trovoadas e rajadas de ventos, devido ao calor e a umidade provenientes do oceano Atlântico.

Até o início da tarde a Defesa Civil de Salvador havia registrado 164 ocorrências. Foram 28 alagamentos de imóveis, 33 ameaças de desabamento, 18 ameaças de deslizamento, quatro árvores caídas, 15 avaliações de imóveis alagados, um desabamento de imóvel, um desabamento de muro, quatro desabamentos parciais, 15 deslizamentos de terra, 24 destelhamentos, cinco infiltrações, três orientações técnicas e um poste ameaçando cair.

Segundo o Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil de Salvador (Cemadec), os maiores acumulados de chuvas no intervalo de uma hora, medidos às 11h40 desta quarta, quando as chuvas se intensificaram, foram na Pituba – Parque da Cidade (36,20mm), Caminho das Árvores (31,80mm), Praia Grande (21,40mm), Mirante de Periperi (18,60mm), Plataforma (17,60mm) e Centro (17,10mm).

A Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador) informou que os principais pontos de alagamento foram: Bonocô, sentido rodoviária; Nilo Peçanha, Calçada; Final de linha da Pituba; Estação de trem da Calçada; Dorival Caymmi tem um poste caído na via e alagamento nos dois sentidos; Semáforos apagados na Oscar pontes; Estação Pituaçu sentido Centro.

Com celulares, pessoas registraram em vídeo a ação da ventania que atingiu Salvador. Uma das imagens postadas nas redes sociais mostra telhas voando de estabelecimentos na região de Patamares que faz conexão com a Orlando Gomes, próximo ao colégio Panamericano. Também foi registrado o destelhamento no teatro Diplomata, na Unirb.

Segundo a Defesa Civil, o fenômeno que gerou o destelhamento foi um vendaval causado pela intensificação dos ventos ocasionados pelas chuvas que caem sobre Salvador. O meteorologista da Codesal, Ricardo Rodrigues, negou que se trate de um tornado, como foi divulgado nas redes sociais, pois este fenômeno atmosférico “apenas ocorre em áreas planas sendo impossível ocorrer no ambiente urbano”.

As chuvas devem continuar até sábado, dia 25, e todo o efetivo da Defesa Civil permanece em alerta máximo.


JB Cardoso

Jornalista e escritor, nascido no Rio Grande do Sul e radicado na Bahia, escreve sobre quase todas as editorias, preferindo sempre contar histórias. Viciado em informação, faz dela um meio de vida. Casado com Thábatta Lorena e pai de Pilar e Cléo.