Perigo do verão: água no ouvido

As férias e o verão são marcados por exageros do contato dos ouvidos com a água. Dra. Tanit Ganz Sanchez, Otorrinolaringologista e fundadora do Instituto Ganz Sanchez, explica como evitar dor de ouvido, zumbido e outros danos causados por pequenos descuidos.

O bom funcionamento dos ouvidos é essencial para a qualidade de vida. Porém, muitas vezes negligenciamos ou subestimamos os problemas que a entrada de  uma simples gota de água ou uso das hastes flexíveis podem causar. Assim, a saúde auditiva é comprometida quando sentimos dor, inflamação, sensação de ouvido tampado, zumbido, tontura ou perda auditiva. E, para a surpresa de muitos, as férias de verão são vilãs frequentes das vias auditivas, como explica a especialista, dra Tanit Ganz Sanchez:  “Nessa época do ano as pessoas nadam mais no mar e nas piscinas. Quem nunca ouviu um amigo contando que depois das férias ou de um final de semana na praia ou na piscina, ficou surdo, tonto ou com zumbido no ouvido?”.

Dra.Tanit Ganz Sanchez, que é a pioneira na realização de pesquisas sobre zumbido no Brasil, explica que, assim como qualquer outro órgão do corpo, os ouvidos precisam de atenção. No caso do verão, a especialista cita as principais causas de problemas no ouvido neste período do verão.

Piscina e Mar: O acúmulo de água no canal do ouvido pode causar a Otite Externa, pois o local fica úmido e facilita o crescimento de bactérias ou fungos. Isso provoca dor de ouvido – que pode ficar bem forte após 3 ou 4 dias sem tratamento, sensação de entupimento e de perda de audição temporária (enquanto durar a infecção), além de zumbido. Para evitar isso, pessoas com ouvidos sensíveis à entrada de água devem secá-los adequadamente após cada entrada na água, seja com a toalha sem inserir nada no canal auditivo. E procurar por ajuda medica se o desconforto for muito incomodo.

Sobre a especialista:

Dra. Tanit Ganz Sanchez: Graduada pela USP, a médica especializou-se em otorrinolaringologia, fez  doutorado e livre docência.

Há mais de 25 anos, pesquisa os sintomas de ouvidos desvalorizados pela medicina, como zumbido, misofonia e hiperacusia, sendo reconhecida internacionalmente ;      

Fundadora e Diretora do Instituto Ganz Sanchez que há mais de 10 anos é direcionado exclusivamente ao estudo e ao atendimento de pessoas com Zumbido, Misofonia e Hiperacusia;

**Criação e coordenação do GANZ – Grupo de Apoio Nacional a Pessoas com Zumbido,

**Criação e coordenação, e ainda hoje organização da ‘Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido’, o Novembro Laranja,

**Realização de palestras e aulas especiais em eventos nacionais e internacionais, levando os resultados de suas pesquisas e disseminando conhecimento à comunidade médica nos quatro cantos do mundo. **Fundação, em 2009, do IGS – Instituto Ganz Sanchez, primeira instituição exclusivamente dedicada a pesquisa e tratamento de zumbido na América Latina,

**Fundação da ‘TV Zumbido’, website destinado a oferecer conteúdo de qualidade sobre zumbido ao público em geral,

**Autora do livro ‘Quem Disse Que Zumbido Não Tem Cura?’, que já esta em sua segunda edição.

**Criadora do ‘Dia Nacional de Conscientização sobre Zumbido’ (11/11), e colaboradora na criação do ‘Dia Nacional de Conscientização sobre Misofonia’ (12/11) e ‘Dia Nacional de Conscientização sobre Hiperacusia’ (13-11)- todos englobados na campanha ‘Novembro Laranja’, movimento que vem crescendo com o engajamento da comunidade médica e demais profissionais da saúde.

**Membro do corpo editorial das revistas científicas:  International Archives of Otorhinolaryngology e Brazilian Journal of Otorhinolaryngology;

Sumidade reconhecida pela comunidade médica internacional, Dra Tanit teve muitas de suas pesquisas premiadas internacionalmente, o que justificou a conquista da presidência do International Tinnitus Seminar, evento tradicionalmente realizado entre Europa e Estados Unidos, para trazê-lo ao Brasil. Assim, em 2011, foi realizado pela primeira vez no hemisfério sul.

Serviço:

www.institutoganzsanchez.com.br

Crédito das fotos: pixabay