Bairros com mais idosos ligam alerta contra o coronavírus

Um estudo feito pela Prefeitura de São Paulo por meio da Secretária Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU) mostrou que a população idosa, acima dos 60 anos de idade, é de 1,8 milhão de pessoas, mais de 15% do total de habitantes da cidade. Os dados são de 2019.

Com o avanço do novo coronavírus, os bairros com mais idosos já ligaram o alerta, segundo o estudo, Sacomã e Grajaú na zona sul da cidade são os bairros que concentram o maior número de pessoas com mais de 60 anos, em números absolutos. Sapopemba na zona Leste também aparece no ranking com média de 40 mil habitantes nesta faixa etária. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) os idoso fazem parte da população mais vulnerável a COVID-19 .

Sapopemba e Grajaú estão entre os bairros com maior número de mortes pela doença, 28 e 22 respectivamente. A Brasilândia na zona norte da capital lidera até o momento com 33 mortes. Dados 13.4

Estes dados mostram que o vírus passou a circular nos bairros mais periféricos da cidade, no iniciou, quando o vírus chegou ao Brasil era concentrado em regiões mais nobres como Perdizes, Jardim Paulista e Itaim Bibi na zona Oeste. Uma das principais preocupações do prefeito Bruno Covas (PSDB) é o fato da população com renda mais baixa não conseguir fazer o isolamento social pelo perfil das casas. Normalmente com poucos cômodos e muitas pessoas.

Percentualmente, os bairros mais nobres tem um número maior de idosos Alto de Pinheiros 23%, Jardim Paulista 22% e Lapa 21.5% na zona Oeste, um levantamento feito pela organização Rede Nossa Paulo em 2018 mostrou que, em média, quem mora em bairros mais ricos tem uma maior expectativa de vida. Como exemplo a média de vida em Moema é de 80 anos já em Cidade Tiradentes cai para 57,3 anos.

foto: Ansa

Na Itália dados do Ministério da Saúde local mostrou que das quase 20 mil mortes pelo novo coronavírus 95% são de idosos. Uma taxa de mortalidade de 11% para pessoas com mais de 60 anos. Média muito parecida com a Espanha, 95,5% das vítimas tem 60 anos ou mais, o país também tem uma alta taxa de mortes por milhão de habitantes, 409,3.

O Brasil que tem um perfil de população, proporcionalmente diferente dos países da Europa, 13,6% são idosos, na Itália esse número chega 28,4% e na Espanha 25,7%. Mesmo com essa diferença a mortalidade para essa idade é alta, 73% das mortes registradas no país são de pessoas idosas.


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.