Semana marca início dos testes da vacina contra a Covid-19 em voluntários no Brasil

Foto: agencia Reuters

Está semana deve marcar o início dos testes, em fase 3, da vacina contra o novo coronavirus, no Brasil. Desenvolvida pela Universidade Oxford do Reino Unido, serão pelo menos 2 mil voluntários vacinados nas próximas três semanas e acompanhados pelo período de um ano para avaliar a eficácia da vacina.  

O Brasil foi um dos países escolhidos para testar em larga escala a vacina contra a Covid-19 que é objeto do estudo de umas de um dos centros de ensino mais respeitados do mundo, a Universidade de Oxford que já teve como aluno o físico Stephen Hawking, em parceria com a empresa farmacêutica AstraZeneca.

Os testes serão feitos no Rio de Janeiro pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino e em São Paulo liderados pelo Centro de Referencia Imunológicos Especial (CRIE) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Segundo a Dra. Lily Yin Weckx, em entrevista ao porta R7 de notícias, coordenadora da pesquisa no CRIE a ideia é testar a eficácia da vacina em um grande grupo de pessoas, “um grupo vai receber a vacina contra a COVID-19 e o outro uma vacina controle, a pessoa não sabe o que vai receber com isso a gente pode acompanhar todos durante este período de um ano para ver quem adquiri o vírus ou não”.

Os voluntários da pesquisa serão acompanhados por um ano, neste período farão exames regulamentes para acompanhar a evolução e os possíveis efeitos colaterais causados pela vacina.

“Teremos uma avaliação muito precisa e muito isenta se a vacina vai funcionar ou não. É possível que a vacina seja licenciada para uso antes do termino do estudo” diz a Dra. Lily.

Objetivo dos pesquisadores de Oxford é que a imunização contra a Sars-CoV2 esteja disponível já no início de 2021. Um recorde no tempo de pesquisa e desenvolvimento de uma vacina na história da medicina.

A Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA) e Ministério de Saúde aprovaram o procedimento no país. No Reino Unido os testes estão sendo feitos em 10 mil voluntários e pode ficar disponível para a população ainda em 2020.


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.