Cães estão sendo treinados para sentir o cheiro da Covid-19 em pessoas assintomáticas

Cão farejador em treinamento para sentir o cheira do coronavírus – Foto: Matthew Childs/Reuters

O cão pode se tornar um importante aliado na luta contra o novo coronavírus, graças a seu olfato super apurado. O animal é capaz de sentir cheiros que o humano não consegue, a estimativa é que o cachorro tenha um olfato entre 10 mil e 100 mil vezes melhor em relação ao ser humano.

Pesquisadores da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, Reino Unido, estão conduzindo as primeiras fases de treinamento com os animais, o faro apurado dos cães pode identificar o coronavírus antes que os sintomas apareçam nas pessoas.  

Já existem estudos que mostram que as doenças têm cheiro. A febre amarela pode lembrar uma carne crua, a tuberculose, algo parecido com cerveja velha, mas são cheiros quase imperceptíveis, para os caninos essa tarefa é bem mais fácil.

Os cães, já são treinados para sentir o cheiro de algumas doenças como certos tipos de câncer, malária e doença de Parkinson. Os testes estão sendo feitos em parceria com a Universidade de Durham e Instituição de Caridade Medical Detection Dogs usando amostras de odores de pacientes com a Covid-19, internados em hospitais de Londres.

A ciência já usa o poderoso olfato dos cães há algum tempo, eles começaram a ser usados para farejar substâncias ilegais ainda no final da década de 1960, nos EUA, quando havia um alto índice de consumo de heroína e consequentemente, muito tráfico da droga nos aeroportos.

Para se ter uma ideia, o Labrador, Golden retriever, pastor alemão e pastor belga malinois são animais com um faro extremamente apurado, são mais de 200 milhões de células olfativas, como comparação o ser humano possui “apenas” 5 milhões.  

O chefe da pesquisa, professor James Logan, lembra que os cães já foram usados e com sucesso, em outro estudo para identificar odores da malária. Uma pesquisa anterior mostrou que os cachorros foram capazes de detectar câncer de próstata através do cheiro da urina dos pacientes com mais de 90% de acertos.

Combinado com o conhecimento de que as doenças podem alterar o odor corporal, nos dá a esperança de que os cães também possam detectar o Covid-19. Se for bem sucedida, essa abordagem pode revolucionar a forma como detectamos o vírus, com potencial para rastrear um grande número de pessoas”, disse Logan em entrevista ao jornal The Guardian.

Um estudo sorológico feito no último mês pela prefeitura de São Paulo aponta que cerca 40% das pessoas com coronavírus são assintomáticas, por tanto não apresentam sintomas da doença ou descobriram que tiveram contato com o vírus, depois de fazer o teste.

A expectativa dos pesquisadores ingleses, é que os cães possam “examinar” cada um, até 250 pessoas por hora, identificando os pacientes assintomáticos. Claire Guest, CEO da Medical Detection Dogs falou sobre a importância do estudo:

“Temos certeza de que nossos cães serão capazes de encontrar o odor da Covid-19, então passaremos para uma segunda fase para testa-lo em situações ao vivo. Esperamos trabalhar com outras agências para treinar mais cães (…). Estamos extremamente orgulhosos de que o nariz de um cachorro poderia mais uma vez salvar vidas”.

Outros países estão fazendo treinamentos parecidos com os cães, na França a pesquisa é coordenada pela Escola Nacional Veterinária de Afort e já com resultados promissores. Alemanha, Noruega, Canadá e Emirados Árabes Unidos também estão desenvolvendo o projeto.


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.