Rússia irá anunciar registro de vacina contra a Covid-19 para próxima semana

Falta de dados e de transparência criam desconfiança sobre a ...
Foto: reprodução

A corrida mundial atrás de uma vacina contra o novo coronavírus parece está chegando ao fim, pelo menos segundo o governo da Rússia. Está semana o país anunciou que irá conceder o primeiro registro para uma vacina contra a Covid-19 já na próxima quarta-feira.

O Kremilin havia publicado no dia primeiro de agosto o planejamento para realizar uma campanha de vacinação em massa contra a Covid, em Outubro, mesmo sem publicar o resultado do estudo.

Segundo publicação da BBC a vacina russa contra o coronavirus foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Investigação de Epidemiologia e Microbiologia (Gamaleya) em parceria com o Ministério da Defesa do país.

A vacina é feita com um tipo de adenovírus modificado, que é uma família de vírus. Ele carrega uma parte do material genético do Sars-CoV-2 e funciona como um cavalo de troia ao entrar no nosso organismo, estimulando as células do nosso corpo a produzirem anticorpos contra a doença.

Esaá técnica também é usada na vacina produzida pelo laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que segundo Soumya Swaminathan, cientista chefe da Organização Mundial da Saúde, é a mais avançada, o que tem levantado desconfiança da comunidade cientifica mundial sobre a rapidez da vacina produzida pela Rússia.

Rússia vai conceder registro para 1ª vacina contra Covid-19 na ...
 Funcionária fazendo teste Foto: Pavel Golovkin/AP

Em entrevista a agência de notícias local Sputnik News, o vice-ministro da saúde da Rússia, Oleg Gridnev falou sobre o atual estágio da vacina:

“O registro da vacina desenvolvida no Gamaleya Center ocorrerá em 12 de agosto. Agora, o último estágio, o terceiro, está em andamento. Está parte do teste é extremamente importante. Temos que entender que a vacina em si deve ser segura”.

Apesar da promissora notícia em um momento em que o mundo inteiro espera a validação de uma vacina eficaz contra o coronavírus, a Organização Mundial da Saúde vê com cautela o avanço russo, pois o país mantém sigilo sobre os dados e não publicou nenhum estudo cientifico dos testes realizados.  

“Várias vacinas se encontra agora em ensaios clínicos de fase três, e todos esperamos ter várias eficazes que possam ajudar a prevenir a infecção nas pessoas. No entanto, não há uma solução imediata neste momento e pode ser que nunca haja”, falou em fevereiro Tedros Adahanom, diretor da OMS.

O governo russo afirmou que nos testes, a vacina tem se mostrado segura e capaz de induzir uma resposta imune nos voluntários e que os cientistas irão divulgar os resultados até o final de agosto.


Felipe Nascimento Cruz

Paulistano, com formação em jornalismo e publicidade. Um ex jogador de futebol que acredita que a comunicação pode mudar o mundo.